Sustentabilidade

Por Alan McClay, CEO, Better Cotton. Este artigo de opinião foi publicado pela primeira vez por Eventos Reuters no 9 March 2022.

O colapso irreversível do ecossistema está se aproximando. Se nada for feito para detê-lo, os sistemas agrícolas enfrentarão um futuro potencialmente catastrófico, com graves implicações para a sociedade em todo o mundo. 

Isso não é hipérbole. É o veredicto de centenas dos principais cientistas climáticos do mundo, conforme expresso recentemente no último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Denunciar. A escrita já está na parede. De acordo com as Nações Unidas Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), mais de um terço dos solos do mundo já estão degradados devido à erosão, salinização, compactação, acidificação e poluição química. O resultado? Uma ausência da diversidade de vida que é essencial para nutrir plantas e colheitas. 

A ideia central da agricultura regenerativa é que a agricultura pode devolver, em vez de tirar, do solo e da sociedade.

Como todo agricultor sabe, o solo saudável é a base da agricultura produtiva. Não só ajuda a reciclar nutrientes e filtrar a água, mas também ajuda a aumentar a resiliência às mudanças climáticas, devolvendo o carbono ao solo. Dê uma dica para a nova palavra da moda no bloco, “agricultura regenerativa”. De um dia para o outro, a frase parece estar por toda parte, da boca de defensores do clima ao discursos dos principais políticos. Não desde o “Revolução Verde” da década de 1950, uma palavra da moda relacionada à agricultura ganhou tanto ritmo tão rapidamente. Como sempre, os críticos não demoraram a se apresentar. Seus argumentos seguem linhas convencionais. Alguns dizem que o termo carece de rigor – “regenerativo”, “orgânico”, “sustentável”, “inteligente em carbono”, todos nascem da mesma cesta de lã. Outros sustentam que é uma ideia antiga reaproveitada em roupas modernas. Quais foram os primeiros agricultores do Crescente Fértil se não agricultores regenerativos? 

Tais críticas escondem mais do que um pouco de verdade. O termo agricultura regenerativa certamente pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes. E, sim, abrange conceitos como lavoura reduzida, rotação de culturas e culturas de cobertura que, em alguns casos, remontam a milênios. Mas reclamar sobre a terminologia é perder o ponto. Por um lado, os caprichos da definição não são tão grandes ou problemáticos como alguns gostam de afirmar. A ideia central da agricultura regenerativa – ou seja, que a agricultura pode devolver ao solo e à sociedade, em vez de tirar dele – dificilmente é controversa. 

A terminologia difusa pode confundir os consumidores e, pior ainda, facilitar o greenwashing.

Em segundo lugar, as técnicas agrícolas variam enormemente, o que significa que metodologias específicas sempre serão difíceis de definir. As práticas adotadas por agricultores na África Ocidental, onde o solo é notoriamente infértil, por exemplo, serão diferentes daquelas adotadas na Índia, onde as pragas e o clima errático são as principais preocupações.   

Em terceiro lugar, a falta de consenso total não leva necessariamente a uma total falta de ação. Veja os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU; as especificidades de cada objetivo podem não agradar a todos, mas agradam as pessoas o suficiente para acumular uma enorme quantidade de energia coletiva.    

Na mesma linha, novos termos podem refrescar nosso pensamento. Há uma década, as conversas sobre a saúde do solo e o rendimento das colheitas tendiam fortemente para o técnico. Um pouco menos de fertilizante aqui, um pouco mais de pousio ali. Hoje, com o discurso de agricultura regenerativa cada vez mais difundido, a própria agricultura extrativista está agora na mesa de debate. 

Claro, definições claras são importantes. Na sua ausência, podem surgir na prática mal-entendidos que retardam ou até prejudicam a transição para uma agricultura mais sustentável. Da mesma forma, a terminologia difusa pode confundir os consumidores e, pior ainda, facilitar o greenwashing. A este respeito, a publicação recentemente publicada da Textile Exchange Análise da Paisagem da agricultura regenerativa marca uma contribuição valiosa e oportuna. Construído através do diálogo em todos os níveis da comunidade agrícola, estabelece um importante conjunto de princípios básicos que todos os principais atores podem apoiar.   

Congratulamo-nos especialmente com o reconhecimento do relatório dos benefícios além do armazenamento de carbono e das reduções de emissões – importantes como certamente são. A agricultura regenerativa não é um pônei de um truque. Melhorias na saúde do solo, proteção do habitat e sistemas de água são apenas alguns dos outros benefícios ambientais auxiliares que ele oferece. 

Vemos o fato de a agricultura regenerativa estar agora na boca de todos como um enorme.

Da mesma forma, como uma organização comprometida com a melhoria dos meios de subsistência de milhões de produtores de algodão, a ênfase nos resultados sociais também deve ser aplaudida. Como atores críticos no sistema agrícola, as vozes dos agricultores e trabalhadores são fundamentais para decidir como a agricultura regenerativa é enquadrada e quais resultados devem ser almejados. 

Para reiterar, vemos o fato da agricultura regenerativa estar agora na boca de todos como um enorme positivo. Não é só o insustentabilidade da agricultura intensiva e de insumos pesados ​​de hoje cada vez mais bem compreendida, assim também é a contribuição que os modelos regenerativos podem dar para reverter isso. O desafio daqui para frente é transformar a conscientização crescente em ação no terreno. As questões que a agricultura regenerativa procura resolver são urgentes. Na Better Cotton, acreditamos muito na melhoria contínua. Regra número um? Saia dos blocos e comece. 

Uma lição importante que aprendemos na última década é que uma ação eficaz não acontecerá sem uma estratégia eficaz para apoiá-la. É por isso que incentivamos nossos parceiros participantes em nível de campo a estabelecer um plano abrangente de gerenciamento do solo, especificando etapas tangíveis para melhorar a biodiversidade do solo e prevenir a degradação da terra. Outro impulso crucial para a ação é contar uma história convincente. Os agricultores não farão a transição do que sabem com base em anedotas e promessas. São necessárias provas concretas. E, para isso, é necessário investimento em monitoramento e pesquisa de dados. 

As modas, por natureza, seguem em frente. No caso da agricultura regenerativa, espere que as definições sejam refinadas e as abordagens sejam revisadas. Como um conceito básico de como devemos cultivar, no entanto, está firmemente aqui para ficar. Nem o planeta nem os agricultores podem pagar de outra forma. 

Saiba mais sobre Better Cotton e saúde do solo

Compartilhe esta página