Sustentabilidade

Por Alan McClay, CEO, Better Cotton.

Este artigo foi publicado pela primeira vez por Devex em 14 2022 junho.

A notícia de que o mundo tem uma chance “50:50” de ultrapassar a marca de 1.5 graus Celsius nos próximos cinco anos é um alerta para o mundo. Se você é um agricultor de algodão lutando contra a seca em South Africa ou com lagarta - que está ligada à alta pluviosidade - em Punjab, a perspectiva de um clima mais errático vem como uma notícia indesejada.

Como em todo o cenário agrícola global, a indústria do algodão vem investindo pesadamente na construção de sua resiliência climática há alguns anos. Pesquisa em raças tolerantes à seca continua em ritmo acelerado, por exemplo, assim como as ferramentas para avaliar e planejar os riscos climáticos futuros.

Alan McClay, CEO, Better Cotton por Jay Louvion.

Consciência é uma coisa, mas a capacidade de agir é outra. Um estimado 350 milhão de pessoas atualmente dependem da produção de algodão para sua subsistência, metade dos quais enfrentam alta ou muito alta exposição ao risco climático. Destes, a maioria são pequenos proprietários, que, mesmo que quisessem agir sobre as mudanças climáticas, não têm meios econômicos ou incentivos de mercado para fazê-lo.

Por mais que soem os sinos do alarme climático e por mais que as agências de desenvolvimento global se preocupem, a transição da agricultura para uma base sustentável simplesmente não acontecerá sem a adesão dos pequenos proprietários. Como pessoas que dependem da produtividade da Terra para sua subsistência, os agricultores têm mais incentivos para cuidar do ambiente natural do que qualquer um.

Mas os retornos da agricultura amiga do clima precisam ser pagos de forma clara, rápida e justa. Nos dois primeiros, há um caso cada vez mais convincente a ser feito. Na Índia, por exemplo, pudemos mostrar que, ao longo de uma temporada, os lucros dos agricultores da Better Cotton Initiative foram 24% maior, enquanto usam um volume menor de pesticidas e fertilizantes sintéticos, do que aqueles que não implementam práticas mais sustentáveis.

Em comparação com as vicissitudes do mercado, garantias de compra plurianuais de grandes compradores apresentam uma perspectiva muito mais atraente para os produtores agrícolas que desejam fazer a transição. No Brasil, por exemplo, o trader de commodities norte-americano Bunge oferece financiamento de longo prazo para produtores de soja que possuem políticas robustas de combate ao desmatamento. No entanto, as oportunidades para os pequenos produtores negociarem tais arranjos contratuais complexos são difíceis, se não impossíveis.

O mesmo obstáculo se apresenta com projetos convencionais de financiamento de carbono. Veja a compensação de carbono, por exemplo. No papel, os agricultores inteligentes em relação ao clima que promovem práticas de redução de carbono, como cultivo de cobertura e redução do plantio direto, estão bem posicionados para vender créditos. No entanto, provar a eficácia climática de tais esforços não é algo simples. E, mesmo que um agricultor possa, registrar-se em um mercado de crédito de carbono como o Nori ou mesmo localizar um programa de crédito relevante representa um desafio.

Mas imagine que não fosse esse o caso. Imagine, em vez disso, um mundo em que agências de desenvolvimento, bancos multilaterais, instituições financeiras, compradores comerciais e filantropos se unam para elaborar mecanismos de financiamento que atendam às necessidades de financiamento dos pequenos agricultores – estimados conservadoramente em US$ 240 bilhões por ano.

Problema resolvido, certo? Lamentavelmente, não. Por mais claros e rápidos que os retornos agrícolas favoráveis ​​ao clima possam se tornar um dia, se não forem distribuídos de forma justa, a transição climática na agricultura estará morta antes de começar.

Claro, “justiça” é um termo subjetivo. Por qualquer medida, no entanto, garantir que inclua a 95% dos agricultores em todo o mundo que operam em menos de 5 hectares tem que ser central. Da mesma forma, garantir a igualdade de acesso e oportunidades dentro deste agrupamento de alguns 570 milhões de famílias agrícolas é tão crítico quanto.

A injustiça de gênero apresenta o exemplo mais gritante. Em muitas regiões agrícolas, especialmente no sul global, as mulheres agricultoras faltam direitos formais, como a propriedade da terra, e luta para acessar crédito, treinamento e outros mecanismos de apoio importantes. Isso apesar de exercer uma influência significativa sobre as decisões agrícolas. Na Índia e no Paquistão, por exemplo, o a maioria dos trabalhadores das fazendas de algodão são do sexo feminino.

Produtores, compradores e outros atores-chave do setor agrícola podem e devem buscar formas de incorporar questões de justiça social e inclusão em seus esforços climáticos. Sem ação deliberativa, isso simplesmente não acontecerá. Mesmo assim, nossa experiência na Algodão melhor, onde temos priorizado a igualdade de gênero há vários anos, sugere que a mudança leva tempo.

A agricultura favorável ao clima é uma questão agrícola, caracterizada pela inovação tecnológica e práticas inteligentes. É também uma questão financeira, para a qual é necessário um grande aumento de investimento de capital. Mas, no fundo, é uma questão de justiça. Trazer grupos de agricultores marginalizados para o rebanho não é apenas a coisa certa a fazer; é uma condição para uma ação climática efetiva na agricultura.

 A agricultura industrial moderna viu os rendimentos dispararem. Mas sua ênfase em altos gastos de capital e insumos baseados em combustíveis fósseis também fez com que a desigualdade econômica e os danos ambientais fossem incorporados ao sistema. Responder à ameaça urgente das mudanças climáticas apresenta uma oportunidade para resolver essas falhas sistêmicas.

Compartilhe esta página