Sustentabilidade

Como um dos maiores produtores e consumidores mundiais de fibra de algodão, o Brasil é um país-chave para a BCI continuar a melhorar a absorção e o fluxo de Better Cotton em toda a cadeia de abastecimento. Publicamos esta série de perguntas e respostas abaixo para fornecer clareza sobre uma variedade de aspectos do programa da BCI no Brasil.

[expandir o título = ”Como o Better Cotton é licenciado no Brasil?”]ABRAPA (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão) - a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão - é nosso Parceiro Estratégico no Brasil, e Better Cotton do Brasil é licenciado pela ABRAPA Protocolo ABR. Este protocolo foi avaliado com sucesso em relação ao Sistema Padrão Better Cotton.

O benchmarking é um processo formal para comparar, calibrar e conferir reconhecimento unilateral de outros sistemas de padrões de sustentabilidade de algodão confiáveis. Este reconhecimento permite que os agricultores que cumprem com um sistema padrão de benchmarking com sucesso comercializem Better Cotton. [/ Expand]

[expandir o título = ”Por que a BCI, por meio da ABRAPA, está trabalhando apenas com grandes fazendas no Brasil?”] A grande maioria das fazendas de algodão no Brasil são fazendas de médio e grande porte, e o Protocolo ABR de referência atualmente se aplica apenas a essas fazendas. O tamanho médio do cultivo de algodão nas fazendas ABR-BCI na safra 2019/2020 era de 3,498 hectares.

No entanto, BCI e ABRAPA reconhecer a necessidade de trabalhar com os pequenos produtores de algodão no Brasil. Em 2019, foi iniciado o planejamento de treinamentos de pequenos proprietários em Minas Gerais como parte de um piloto de licenciamento BCI. Eles estavam programados para março de 2020, mas foram adiados para 2021 devido à pandemia de COVID-19. Depois de lançado, a ABRAPA pretende replicar este piloto no estado da Bahia. As associações estaduais da ABRAPA já trabalham com pequenos produtores na região de Catuti, em Minas Gerais, e na região de Guanambi, na Bahia.

[/expandir]

[expandir o título = ”Que ligações podem ser feitas entre as questões presentes na soja, como desmatamento e conversão de terras, e a produção de algodão no Brasil?”] Não é papel ou responsabilidade da BCI falar sobre questões relacionadas à soja ou outras culturas no Brasil - nosso objetivo na BCI é transformar a produção de algodão. No entanto, podemos falar sobre como o Better Cotton Standard System (BCSS) - e por extensão fazendas licenciadas pela ABR-BCI - aborda questões de sustentabilidade na cultura do algodão que muitas vezes também são citadas na produção de soja, como uso de pesticidas, conversão do uso da terra e desmatamento. Veja as perguntas e respostas abaixo para mais detalhes. [/ Expand]

[expandir o título = ”O Better Cotton Standard System aborda as questões de conversão de terras e desmatamento no Brasil?”]

sim. Reconhecemos o valor dos elementos sociais e ambientais de uma paisagem e que esses valores não devem ser perdidos no processo de produção do algodão. Também reconhecemos que a mudança no uso do solo acarreta maiores riscos para a biodiversidade e outros recursos usados ​​pela população local. É por isso que exigimos que os agricultores da BCI concluam uma avaliação de Alto Valor de Conservação (HCV) para identificar, manter e monitorar esses valores desde o início para que não sejam danificados pela expansão das operações de algodão. Isso faz parte de nossa abordagem de AVC, que trabalha para garantir que os agricultores respeitem os direitos das comunidades locais, dos povos indígenas e do meio ambiente.

Esta abordagem é descrita em Princípios e critérios do Better Cotton 4.2.1 e 4.2.2 que todos os agricultores BCI em todo o mundo, incluindo os agricultores licenciados ABR-BCI, devem seguir.

Além de nossos critérios, a certificação ABR exige o cumprimento da legislação ambiental brasileira. Isso significa que, de acordo com a legislação brasileira, mesmo os produtores que plantam apenas uma pequena área de algodão devem preservar de 20 a 80% da propriedade. O percentual preservado depende do bioma em que a fazenda está localizada. Por exemplo, se uma propriedade está localizada no bioma Amazônia, ela deve preservar 80% de sua área. O Brasil é formado por seis biomas com características distintas: Amazônia, Caatinga, Cerrado (savana), Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.

Todas as auditorias externas das fazendas da ABR-BCI consideram a legislação do bioma em que a fazenda está inserida e, o mais importante, o processo de licenciamento é para a fazenda como um todo e não apenas para a área de cultivo de algodão. Por meio do processo de auditoria e licenciamento da ABR, todas as fazendas são visitadas anualmente. Também deve ser observado que nenhuma fazenda de algodão licenciada pela ABR-BCI está localizada na região amazônica legalmente definida.

[/expandir]

[expandir o título = ”Qual é a situação do uso de pesticidas na produção brasileira de algodão?”]

Em um clima tropical com intensa pressão de pragas (bicudo e mosca branca, em particular), um desafio importante para os agricultores brasileiros é como lidar com a eliminação progressiva de pesticidas prejudiciais, pois eles trabalham para reduzir o uso geral de pesticidas. Por meio de nosso Parceiro Estratégico, a ABRAPA, ajudamos os cotonicultores do Brasil a fazer isso e a encontrar métodos alternativos para lidar com as pragas.

Isso começa com o Protocolo ABR da ABRAPA, que deve respeitar os atuais Princípios e Critérios do Better Cotton da BCI, incluindo nossa abordagem cada vez mais rigorosa para a eliminação dos “Pesticidas Altamente Perigosos”, introduzidos em 2018 como parte de uma revisão formal do Padrão BCI.

O Princípio Better Cotton sobre Proteção de Culturas requer que quaisquer pesticidas listados nas convenções de Estocolmo e Rotterdam e o protocolo de Montreal não sejam usados. Também exige que os produtores eliminem o uso de quaisquer ingredientes ativos de pesticidas e formulações que são conhecidos ou presumivelmente extremamente ou altamente perigosos (toxicidade aguda) e carcinogênicos, mutagênicos ou reprotóxicos de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS). A ABRAPA está atualmente atualizando seu padrão para se alinhar com esses requisitos recentes da BCI e apoiando os agricultores na busca por alternativas viáveis ​​para a proteção da lavoura.

A ABRAPA instalou cinco fábricas de controle biológico, operadas em colaboração com seus parceiros estaduais, para produzir produtos de controle de pragas que sejam alternativas às ofertas mais tóxicas. As fábricas produzem métodos de controle de pragas como inimigos naturais e entomopatógenos (o controle biológico com entomopatógenos pode ser definido como o uso de fungos, vírus e bactérias). Uma fábrica está localizada em Minas Gerais, uma em Goiás e três em Mato Grosso, maior estado produtor de algodão.

[/expandir]

[expandir o título = ”Como o Better Cotton Fast Track Program (BCFTP), ou seu sucessor, o Better Cotton Growth and Innovation Fund (GIF) contribuiu para o desenvolvimento e benchmarking do Protocolo ABR da ABRAPA?”] O desenvolvimento do Padrão ABR foi realizado pela ABRAPA sem financiamento do BCI. O financiamento do Better Cotton Fast Track Program (BCFTP) foi usado para uma variedade de atividades, como materiais de treinamento, capacitação para a ABRAPA e agricultores no Better Cotton Standard System (BCSS), treinamento de trabalhadores em trabalho decente e alinhamento da ABRAPA e BCI's sistema de cadeia de custódia. [/ expandir]

[expandir o título = ”A BCI diz que Better Cotton do Brasil é“ sustentável ”,“ melhor ”ou“ preferido ”? O Brasil é “o maior produtor de algodão sustentável '?”]

“Better Cotton 'significa algodão que é melhor para as pessoas que o produzem, melhor para o meio ambiente em que cresce e melhor para o futuro do setor. Os agricultores da BCI que produzem "Better Cotton" aderem aos sete princípios definidos na BCIPrincípios e Critérios, incluindo a minimização do impacto prejudicial das práticas de proteção à lavoura, aumento da biodiversidade, uso responsável da terra, promoção do trabalho decente e promoção da gestão da água. A sustentabilidade também é uma jornada que não termina quando uma fazenda é licenciada - é por isso que os Fazendeiros BCI se comprometem a participar de um ciclo contínuo de aprendizagem e melhoria.

A BCI está comprometida em fazer afirmações que sejam credíveis e possam ser comprovadas, e é por isso que descrevemos o Better Cotton como 'mais sustentável' do que o algodão convencionalmente cultivado, em vez de declarar que é categoricamente 'sustentável'. Somos intencionais e consistentes em nossas comunicações sobre o uso de “mais sustentável” no lugar de “sustentável” porque isso é mais preciso e captura melhor o ethos de nossa abordagem.

Descrever o Brasil como “o maior produtor de algodão sustentável” não está de acordo com nossa posição. Dizemos, no entanto, que o Brasil é o maior produtor de Better Cotton porque isso é verdade e temos orgulho de nossa parceria.

[/expandir]

Compartilhe esta página